Nova Revolução Agrícola está em curso: a digitalização do campo

Por Equipe FieldView™

May 06, 2021

A agricultura digital abriu caminho para uma das maiores revoluções agrícolas da história, que se iniciou no final do Século 20 e ganhou força nos últimos anos

Agricultor monitora a lavoura a lavoura com o apoio da agricultura digitalAs tecnologias digitais já fazem parte da rotina do agricultor no dia a dia do campo

 

A trajetória da agricultura mundial não seria a mesma se não fossem algumas grandes Revoluções Agrícolas que aconteceram ao longo da história.

Foram grandes momentos de transformação do campo, marcados pela incorporação de novas tecnologias e de práticas de manejo disruptivas, o que permitiu o desenvolvimento da atividade e o crescimento exponencial da produção rural.

A seguir, vamos conhecer as transformações da agricultura, os benefícios que isso trouxe para o produtor e as características da Revolução Agrícola que está em curso: a transformação digital

+ CONFIRA TAMBÉM: Afinal, o que é agricultura?

 

O que é a Revolução Agrícola ou Revolução Neolítica?

As Revoluções Agrícolas foram transformações que ocorreram no sistema de produção rural na história da humanidade  

Além disso, foram responsáveis por mudanças significativas no modelo de cultivar o solo e por saltos na disponibilidade de alimentos.

 Evolução da população mundial (Fonte: ONU)

  • Ano 1 – 170 milhões de habitantes
  • 1700 – 603 milhões
  • 1800 – 978 milhões
  • 1900 - 1,65 bilhão
  • 1950 – 2,51 bilhões
  •  2000 – 6 bilhões
  • 2021 – 7,87 bilhões (estimativa)
  • 2030 – 8,5 bilhões (estimativa)
  • 2050 - 9,7 bilhões (estimativa)

De 1800 até 2015, a população mundial aumentou 6.5 vezes. E o ritmo continua: o mundo deverá chegar a 8,5 bilhões de pessoas em 2030, o que evidencia um desafio para o setor agrícola: manter a expansão da produção de alimentos e fibras.

 

Crescimento da população mundial atraves da revolucao agricolaONU estima que população mundial atinja 8,5 bilhões em 2030 (foto: Mumbai, Índia)

 

Quais foram as revoluções agrícolas e quais suas consequencias?

Ao longo da história, as grandes transformações da agricultura ocorreram em diferentes momentos. Vamos falar sobre elas! 

  • 1ª Revolução Agrícola

A agricultura começou a ser praticada por volta de 12 mil a.C. Mas foi entre 8 mil a.C. e 5 mil a.C. (período do Neolítico) que ocorreu um processo que mudou o futuro da Humanidade:  a 1ª Revolução Agrícola.

É nessa fase que o homem descobriu o fogo, o que permitiu dominar a produção de alimentos. Também passou a criar animais e as tribos deixaram de ser essencialmente caçadoras e coletoras.

Se antes as pessoas se deslocavam em busca de água e alimentos, agora elas passaram a se fixar para cultivar o solo, o que propiciou o surgimento das cidades.

Iniciaram o uso de instrumentos para a produção agrícola, produzidos com pedra polida.  Eram machados, enxadas primitivas, pás, raspadores etc. O uso da cerâmica também se tornou comum para a preservação dos alimentos.

 

Máquina a vapor na agriculturaRevolução Industrial permitiu usar máquinas a vapor na agricultura (Inglaterra, 1899)

 

  • 2ª Revolução Agrícola

Uma segunda onda marcante ocorreu na Europa entre os séculos 18 e 19. A 2ª Revolução Agrícola visava diversificar a produção no campo e aumentar a produtividade dos cultivos.

Dentre as mudanças adotadas na agricultura, vale destacar algumas:

1)  Uso de cavalos nas operações rurais, o que aumentou a produtividade e reduziu a necessidade do emprego da força humana;

2)  Plantio em larga escala de novos produtos, como a batata e o milho, que tinham grande demanda de uma população cada vez mais urbana;

3)  Concentração de terras;

4)  Aumento da atividade pecuária;

5)  Investimento em pesquisas em diferentes áreas, como em fertilidade do solo;

6)  Produção de fertilizantes, aumentando a média produtiva das áreas agrícolas.

A grande evolução no campo foi resultado da Revolução Industrial, entre meados do Século 18 e início do Século 19. Assim, o surgimento de máquinas nas indústrias contribuiu para a criação de tecnologias aplicadas no trabalho rural. 

Era o início do processo de mecanização do campo, o que ajudou a elevar significativamente a realização das tarefas rurais. 

 

Trator movido a gasolinaTrator movido a gasolina de 1907, conhecido como “arado para automóveis”

 

  • 3ª Revolução Agrícola - O que foi a Revolução Verde?

Na virada para o Século 20, com a introdução do motor de combustão, outras mudanças drásticas ocorreram. A tração animal foi  substituída por máquinas a gasolina.

E novos tratores substituíram enormes modelos movidos a vapor que eram, então, os responsáveis por rebocar e reabastecer semeadeiras, colheitadeiras, pulverizadores, entre outras máquinas. Isso aumentou a produção em um nível nunca antes visto.

Tomavam forma novas transformações profundas no campo, que ficaram conhecidas como Revolução Verde.

Esse processo de mudanças ganhou força após a Segunda Guerra Mundial, preparando o setor agrícola para suportar a explosão demográfica registrada na segunda metade do século.

Paralelamente, avançavam as pesquisas com defensivos e fertilizantes. A Revolução Verde foi caracterizada por um forte processo de modernização da agricultura, que permitiu aumentar a produção de alimentos a partir das décadas de 1960.

Trouxe inúmeras inovações agrícolas, que foram fruto do investimento de governos, de instituições e de cientistas pelo mundo afora. 

Iniciativa estratégica para o fortalecimento da agricultura brasileira foi a criação da Embrapa, em 1972.

 

+ CONFIRA TAMBÉM: Agricultura de precisão, agricultura 4.0 e agricultura digital: é a mesma coisa?

 

Variedades de sojaO desenvolvimento de novas cultivares impulsionou a produtividade agrícola

 

A modernização da agricultura

O melhoramento varietal foi muito beneficiado por esse processo de transformações, especialmente com o avanço da engenharia genética e a chegada das biotecnologias.

O desenvolvimento de novas cultivares com diferentes atributos genéticos ficou mais preciso, eficiente e, eventualmente, mais rápido.

Como o caso da primeira soja geneticamente modificada, a Soja RR (Roundup Ready), tolerante ao herbicida glifosato, o que flexibilizou muito o manejo das plantas daninhas no campo. 

Também foi desenvolvida a biotecnologia Bt, permitindo que cultivos, como os de soja, milho e algodão, estivessem protegidos do ataque de pragas-chave, como lagartas desfolhadoras. 

O campo também assistiu outros avanços, como o desenvolvimento das defensivos agrícolas mais seguros e tecnológicos, de máquinas e implementos, de melhores práticas de manejo, de técnicas de irrigação e adubação, e o avanço da agricultura de precisão

 

Qual é a importância da revolução agrícola

Na esteira desse processo, os produtores rurais puderam desenvolver seus manejos e incorporar inúmeras tecnologias, obtendo resultados como:

  • Aumento da produtividade;
  • Otimização do consumo de água, fertilizantes e defensivos;
  • Diminuição dos impactos ambientais no ecossistema (produção mais sustentável);
  • Maior segurança dos funcionários e dos processos (menor probabilidade de falhas);
  • Aumento da eficiência sem a necessidade de maiores gastos;
  • Detecção da escassez de nutrientes no solo;
  • Melhor monitoramento da lavoura.

Segundo a FAO, a produção agrícola mundial triplicou nos últimos 50 anos, principalmente devido à maior produtividade por unidade de terra e intensificação dos cultivos.

A produtividade média brasileira de soja, por exemplo, mais que dobrou comparando com 50 anos atrás, de acordo com a Esalq.

 

+ LEIA MAIS: Qual é a participação do agronegócio no PIB e nas exportações brasileiras

 

Drone monitora soja revolução agrícolaDrone monitora área de soja

 

Agora a Revolução Agrícola é digital

Um longo caminho foi percorrido pelo setor agrícola desde a introdução da mecanização no campo, passando pelo desenvolvimento de variedades mais tolerantes, uso de produtos defensivos agrícolas e, mais recentemente, o melhoramento genético.

Foram grandes passos em prol da produtividade. Mas o que vem depois disso tudo?

A resposta é a disrupção. Esse termo foi criado pelo professor de Harvard, Clayton Christensen, para descrever inovações que oferecem produtos outrora inacessíveis, acabando por criar novos mercados e formas de consumo. 

Pode não parecer, mas esse processo disruptivo abriu caminho para uma das maiores revoluções agrícolas da história, que se iniciou no final do Século 20 e ganhou força nas últimas duas décadas. 

 

Lavoura de sojaO melhoramento genético ajudou o campo a dar um salto na produção

 

E os resultados disso já são realidade.

As transformações que acontecem no campo fazem parte da chamada Agricultura 4.0 e estão relacionadas à digitalização dos processos de produção. Esse fenômeno vai além da simples mecanização do campo. 

As operações e decisões passam a ser orientadas com base em dados retirados do clima, da terra, da lavoura etc. Com foco em melhorar a performance de cada talhão, dispositivos e pessoas trabalham conectados e integrados.

Nessa nova onda de mudanças, ganha forma a  agricultura digital: “mix” de Internet das Coisas, agricultura de precisão e Big Data. Ela é disruptiva por natureza, justamente por mudar a forma de enxergar e explorar o mercado agrícola tradicional.

 

+ CONFIRA O EP. 1 DA SÉRIE HISTÓRIAS DE SUCESSO: Laboratório a céu aberto com Climate FieldView™

 

Tecnologias digitais aumentam qualidade e velocidade das decisões do produtor

Frente ao aumento da população mundial, veio a necessidade irrefutável de aumentar a produção de alimentos nos próximos anos. 

Mas o desafio do produtor é que a maior produtividade precisa acontecer num espaço relativamente menor de cultivo e com uso consciente de recursos naturais - para não resolver um problema criando outros.

Para atingir esse objetivo, a agricultura digital tem várias possibilidades. 

O uso contínuo de tecnologias de agricultura de precisão já está se tornando padrão no país: GPS, monitores de colheita e equipamentos para dosagem de sementes, irrigação e fertilizantes são exemplos.

 

Big data na revolução agrícolaO acesso a grande número de informações facilita as decisões do produtor

 

Tais equipamentos geram uma quantidade imensa de dados, que descrevem as operações agrícolas com detalhes e permitem análises e conclusões que não seriam possíveis de outra maneira (ou, pelo menos, demorariam muito mais para serem concluídas).

Iniciativas em ascensão, como o uso de estações meteorológicas locais nas fazendas, enriquecem mais esses dados e aumentam a qualidade e velocidade da tomada de decisões dos agrônomos. 

Tudo isso, associado ao uso de computação em nuvem para processamento e armazenamento, se interconecta e forma o tecido dessa nova Revolução Agrícola.

 

+ ENTENDA: Os passos para o desenvolvimento dos produtos da agricultura digital

 

Tomar decisões com base em dados otimiza a gestão da lavouraTomar decisões com base em dados otimiza a gestão da lavoura

 

A partir de dados, é possível dar respostas aos problemas da lavoura

Esse é um contexto desafiador, mas também de oportunidades para o Brasil, que tem grande presença no cenário mundial de produção de alimentos. 

É nessa conjuntura que a Climate FieldView™, plataforma de agricultura digital da Bayer, tem muito a impactar o agro do país. 

A plataforma apoia o produtor por meio de serviços e soluções baseadas em ciência de dados, auxiliando no gerenciamento de suas operações com mais eficiência durante toda a safra, do plantio à colheita.

Mas em que consiste a ciência de dados na agricultura? 

  1. Coleta e transferência de dados.
  2. Armazenamento, processamento, análise e modelagem de dados na nuvem.
  3. Visualização de informações.
  4. Tomada da decisão otimizada.

Nova call to action

 

Com esse apoio, o agricultor tem condições de tomar decisões mais assertivas em todos os manejos e operações adotados. 

Cada ação pode ser tomada sob medida, a partir da análise de dados gerados na realidade de cada metro quadrado da fazenda.

E o acesso a essas informações pode ser feito pelo smartphone ou tablet, de forma  ágil e simples. 

Para o agricultor, as tecnologias digitais tornaram-se uma aliada e tanto para reduzir custos e alcançar altos patamares de produtividade ao final de cada safra.

 

+ CONFIRA TAMBÉM: Como Big Data é utilizado na agricultura?

 

Ferramentas da agricultura digital

As plataformas de agricultura digital não só beneficiam o uso localizado de insumos (agricultura de precisão), como auxiliam o agricultor a melhorar o monitoramento da propriedade rural e o controle do processo produtivo como um todo.

Confira algumas das funcionalidades digitais que são disponibilizadas pelo FieldView™:

  • Geração de mapas e relatórios das operações de plantio, pulverização e colheita por meio do FieldViewTM Drive;
  • Acompanhamento do desenvolvimento vegetativo de cada talhão com imagens de satélite geradas pelo Diagnóstico FieldViewTM, o que também permite a análise de mapas históricos de um talhão;
  • Adição de marcações georreferenciadas em pontos de interesse nos mapas, permitindo acompanhar com mais facilidade o desenvolvimento de uma área e realizar testes específicos;
  • Notificações personalizadas que avisam ao produtor em caso de alguma variabilidade no desenvolvimento da lavoura;
  • Elaboração de prescrições de sementes e fertilizantes em taxa variável, entre outras funcionalidades que contribuem no manejo do dia a dia.

 

+ SAIBA MAIS: Obtenha imagens históricas de seu talhão com o Plano de Entrada do FieldViewTM

 

A digitalização modela uma nova cara para a agricultura

O grande volume de dados gerados disponível, associado à demanda crescente por soluções digitais para problemas conhecidos, acabou por criar um nicho no mercado que respira inovação para se manter vivo. 

É um ganha-ganha nítido: profissionais experientes têm a oportunidade de se aprimorar (e muito!), resolvendo problemas do mundo real, enquanto modelam a nova cara de um negócio primordial para o país e o mundo.

Já os iniciantes ganham a chance de sair na frente ao começarem a se desenvolver em um ambiente repleto de desafios concretos.

Agora é arregaçar as mangas e ajudar a plantar o futuro!

 

Nova call to action

Compartilhar:
Curtiu nosso conteúdo?