Como fazer a interpretação de mapas na agricultura digital?

Por Equipo FieldView

Mar 14, 2022

O agricultor precisa estar preparado para fazer a “leitura” dos mapas gerados nos diferentes momentos da safra

 

Produtor analisa o Mapa de Umidade da lavoura para saber o momento certo de fazer a colheita da áreaProdutor analisa o Mapa de Umidade da lavoura para saber o momento certo de fazer a colheita da área

 

+ Sem tempo de ler o texto todo? Confira os principais destaques!

Na agricultura moderna, não basta gerar mapas durante as operações agrícolas. É necessário ter profissionais capacitados para interpretá-los

É que a interpretação de mapas na agricultura digital é uma tarefa que exige um pouco de preparo por conta dos inúmeros dados coletados em cada ação no campo e dos diferentes mapas que podem ser gerados. 

Ao longo da safra, muitos são os momentos que exigem essa capacidade de interpretação. Um dos principais desafios é a habilidade de analisar as cores dos diferentes mapas que podem ser elaborados, como de produtividade,  plantio e pulverização. 

Os mapas mais usados são obtidos durante a colheita, quando o produtor tem em mãos o Mapa de Produtividade. Ele precisa ser interpretado com atenção para que seja possível dimensionar o nível de produção das regiões do talhão e planejar bem a próxima safra. 

Boa leitura!

 

 + + + 

Na agricultura moderna, a possibilidade de mapear as diferentes operações agrícolas e depois gerar mapas que permitem visualizar a lavoura e os manejos realizados no campo revolucionou a vida do produtor. 

No último post do blog, nós falamos sobre a importância deste mapeamento para o dia a dia da fazenda e conhecemos os principais tipos de mapas na agricultura. 

Mas tão importante quanto poder mapear as operações é saber interpretar os mapas gerados. O problema é que a interpretação de mapas na agricultura digital pode ser desafiadora em função da quantidade de informações que são coletadas. 

Inúmeros mapas podem ser elaborados durante a safra e devem ser interpretados adequadamente e comparados uns com os outros. Neste artigo, vamos fazer a interpretação de um dos mais utilizados pelo produtor: o Mapa de Produtividade.

 

+ LEIA: Quais são os tipos de mapas na agricultura mais utilizados?  

 

Avalie as diferenças de cores nos mapas de produtividade

Um dos mapeamentos mais requisitados pelo agricultor para avaliar o resultado de sua safra e planejar o próximo ciclo é o Mapa de Produtividade. Ele colhe dados durante a operação de colheita e permite avaliar a variabilidade da produção em cada região do talhão.

Quando falamos que é desafiadora a  interpretação de mapas na agricultura de precisão, o Mapa de Produtividade é um bom exemplo. Para se sair bem, é necessário conhecimento e prática. Se liga em algumas dicas para compreender esse tipo de mapa na agricultura

A oscilação na produtividade de um talhão pode ser interpretada no mapa pelo agricultor a partir das diferentes tonalidades na escala de cores usadas no mapa, que variam de mais claras para mais escuras, de acordo com o volume produzido em cada ponto do talhão.

Além disso, quando o produtor tem o Mapa de Produtividade nas mãos, manchas podem indicar áreas de baixa produtividade no campo, o que pode ser causado por inúmeros fatores. É preciso ficar atento a essa variabilidade de cores do mapa e investigar o que pode ter causado essa menor produção nesses pontos.

Neste caso, a baixa produção pode ser causada, por exemplo, por problemas de drenagem, compactação do solo, baixa fertilidade, presença de pragas e plantas daninhas, entre outros motivos. 

Para identificar o que exatamente derrubou a produtividade, o produtor envia um profissional até o local indicado pelas cores do mapa. Muitas vezes, ocorrências como pragas e doenças têm formatos de reboleira no mapeamento.

 

Mapa de Produtividade permite visualizar o resultado da colheita em um talhão de milho

Mapa de Produtividade permite visualizar o resultado da colheita em um talhão de milho: as cores da legenda do mapa (à dir.) indicam que houve uma grande variabilidade na produção, que oscila entre áreas com alta (mais do que 120 sacas/ha) e com baixa produtividade (menos de 50 sacas/ha)

 

Mapa de Colheita pode indicar erro operacional do equipamento

Mas quando as cores que representam os problemas de produtividade no mapa têm formato de faixas? É possível que o motivo seja um erro operacional do equipamento.

O produtor também pode analisar a baixa produção comparando as áreas indicadas no Mapa de Produtividade com mapeamentos de outras operações durante a safra, como de Plantio e Pulverização. Além disso, também pode usar mapas da área gerados em safras anteriores.

Ao analisar e correlacionar os dados dos mapas, a investigação de problemas de produtividade na área passa a ser embasada, permitindo adotar estratégias assertivas de manejo ou melhorar o planejamento para a próxima safra

 

Mapa de Colheita registra a velocidade que a colheitadeira realizou a operação na áreaMapa de Colheita registra a velocidade que a colheitadeira realizou a operação na área: a partir das cores marcadas na legenda do mapa, o produtor pode conferir os trechos em que o equipamento realizou a colheita fora da velocidade recomendada

 

Equipe da fazenda precisa estar capacitada para interpretar diferentes mapas 

Embora a colheita seja um momento decisivo da lavoura, podendo ser avaliada em detalhes pelo Mapa de Produtividade, outros momentos da safra também podem ser mapeados pela agricultura digital, gerando:

  • Mapas de Plantio;
  • Mapas de Zonas de Manejo;
  • Mapas de Monitoramento e de Vegetação;
  • Mapa de Pulverização.

Para que o uso desses mapas possa potencializar a gestão da propriedade, o agricultor precisa ter um time apto a interpretar esses diferentes mapas, que têm características específicas, e a correlacioná-los ao longo da safra.

 

Interpretar os mapas e correlacioná-los permite tomar decisões mais assertivas 

Durante o PLANTIO, por exemplo, o mapeamento permite que o produtor saiba, por meio das cores que são apresentadas no mapa, se a velocidade da plantadeira é correta ou se a população de sementes que está sendo depositada no sulco é a recomendada.

Ao final da operação, o produtor sabe exatamente, pelas cores discriminadas e legendadas no mapa, onde cada VARIEDADE/HÍBRIDO foi semeado no talhão. 

Desde o estabelecimento da lavoura, o produtor pode acompanhar o DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO da cultura por meio de imagens de satélite. 

Usando funcionalidades como o Diagnóstico FieldViewTM, da plataforma de agricultura digital Climate FieldViewTM, da Bayer, é possível acompanhar a evolução da cultura e identificar áreas que precisam de ações preventivas ou corretivas com precisão, por meio das imagens do Mapa de Monitoramento.

Caso o produtor queira visualizar com maior riqueza de detalhes o desenvolvimento da cultura em determinado talhão, ele pode “estressar” as cores do Mapa de Monitoramento, obtendo o Mapa de Vegetação.

 

Nova call to action

 

A partir desta interpretação, ele pode enviar uma equipe até pontos da lavoura com baixo desenvolvimento vegetativo para constatar o que está acontecendo e, assim, tomar medidas assertivas, como realizar a PULVERIZAÇÃO de uma área do talhão.  

O produtor pode, também, comparar os dados e as cores de um Mapa de Plantio com as imagens do Mapa de Vegetação para avaliar se, por exemplo, áreas plantadas com a variedade “x” tiveram melhor desenvolvimento vegetativo. Ou se o crescimento das plantas no local pode ter sido impactado pela população de sementes que ali foi plantada.

Depois de acompanhar de perto a lavoura, chegou a hora da colheita. Poderá analisar no Mapa de Produtividade qual foi a produção das áreas que apresentaram baixo desenvolvimento vegetativo no Mapa de Vegetação. 

Ao interpretar os diferentes mapas e compará-los, terá dados para avaliar as causas do baixo desenvolvimento vegetativo em certas regiões da lavoura, tomar todas as medidas necessárias e planejar a recuperação da produtividade nessas áreas para o próximo ciclo.

 

Comparação entre o Mapa de Produtividade e o Mapa de Monitoramento

Comparação entre o Mapa de Produtividade e o Mapa de Monitoramento: ao comparar os mapas, registrados em diferentes momentos da safra de soja, é possível avaliar se pontos com baixo desenvolvimento vegetativo tiveram produtividade menor do que no resto da área

 

Invista em um bom software de agricultura digital

O processo de criação e análise de mapas pode ser realizado por softwares mais avançados e completos de agricultura digital.  

Cada vez mais desenvolvidos em sintonia com tecnologias como ciência de dados e inteligência artificial, esses softwares não só auxiliam na coleta de informações, mas também são capazes de processar maior quantidade de dados e oferecer diversos recursos para facilitar as decisões do agricultor.

 

+ LEIA AINDA: Gestão agrícola: Veja como é possível lucrar ainda mais com a lavoura

 

Frente ao gigantesco volume de dados que são coletados pelos softwares durante o mapeamento e que chegam às mãos do produtor por meio de mapas, a interpretação de mapas na agricultura de precisão tem que ser cada vez mais prioridade para o gestor da fazenda.

É que essa possibilidade de mapear as diferentes operações da lavoura, e a capacidade das tecnologias digitais de processar com maior velocidade e precisão os mapas gerados, mostram o quanto a agricultura 4.0 impulsionou para o futuro o dia a dia do produtor rural

Quem não estiver pronto para esta mudança pode perder grandes oportunidades de alavancar os seus resultados

 

 + Acompanhe mais sobre este assunto nos artigos:

 

Quer ficar por dentro do que a agricultura digital pode fazer por você?

Nova call to action

Compartilhar:
Curtiu nosso conteúdo?