Inovação no agronegócio: 7 tendências que você precisa conhecer

Por Equipe FieldView™

Nov 05, 2021

A chegada de diferentes tecnologias no campo irá impulsionar a produtividade e a rentabilidade do produtor rural

Planta crescendo na lavoura e sendo acompanhada pela IoT

O desenvolvimento de cada planta da lavoura será otimizado pela conectividade entre diferentes equipamentos e sistemas, dentro do sistema de IoT

 

+ Sem tempo de ler o texto todo? Confira os principais destaques!

Estima-se que a população mundial atinja 9,8 bilhões de pessoas em 2050, aumentando a demanda por alimentos. Por isso, investir em inovação no agronegócio é um caminho primordial, propiciando maior produtividade e consumo otimizado de insumos.

Embora muitas tecnologias revolucionárias tenham sido desenvolvidas no campo ao longo dos últimos 200 anos, não são suficientes para que se tenha uma elevação ainda maior da produção. 

Frente a esse desafio, inúmeras tecnologias disruptivas estão em fase de desenvolvimento, embora algumas já sejam realidade no campo e tendem a ganhar espaço na vida do produtor.

Dentre as tendências tecnológicas no agronegócio, vale destacar 7 delas: o IoT (Internet das Coisas), os equipamentos autônomos, os softwares de gestão agrícola, os drones, os minicromossomos e soluções que permitem o consumo responsável da água, dentre outros produtos eco-friendly.

Boa leitura!

 

+++

 

A produção agrícola deve aumentar cerca de 70% até 2050 para atender o aumento populacional mundial, que deverá atingir 9,8 bilhões de pessoas, segundo a FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura)

Nesse contexto, como os agricultores brasileiros podem aumentar sua produtividade e contribuir com a demanda global por alimentos? Afinal, em 30 anos, a expectativa é que o Brasil seja responsável por 40% da produção agrícola mundial.

Como já aconteceu em diferentes momentos ao longo da história, a única saída é investir nas inovações tecnológicas no campo

O primeiro passo é conhecer as 7 tendências no agronegócio que prometem revolucionar a produtividade agrícola. Vamos entender mais.

 

+ LEIA: Afinal, o que é agricultura? 

 

O que é inovação no agronegócio brasileiro?

As inovações no agronegócio vão muito além de técnicas de plantio, manejo e colheita no campo. Elas podem ocorrer desde o desenvolvimento de sementes mais tolerantes, até a etapa de planejamento e processamento da produção. 

Na verdade, até o gerenciamento e o transporte do que é produzido nas lavouras pode sofrer melhorias pela adesão às novas tendências tecnológicas no agronegócio.

Outra área focada no campo que evolui a passos largos é o desenvolvimento de softwares, que são voltados tanto às operações na lavoura, como à gestão de diferentes momentos da cadeia agrícola.

Por isso, quando se fala em investir no desenvolvimento tecnológico do agronegócio, é importante entender que inovação não se restringe apenas ao campo, mas contempla todos os elos que apoiam o desenvolvimento do setor.

 

+ LEIA MAIS: Nova Revolução Agrícola está em curso: a digitalização do campo

 

Qual a maior inovação tecnológica no agronegócio?

As transformações agrícolas que ocorreram ao longo da história permitiram o aumento da produção rural. O último grande salto foi verificado a partir de meados da década de 1960, com a Revolução Verde. Ela permitiu a modernização das práticas agrícolas e o aumento da produtividade.

Contudo, as inovações agrícolas desenvolvidas nas últimas décadas não serão o bastante para sustentar o aumento acentuado da demanda global dos próximos anos. Diante disso, uma nova revolução agrícola já começou: a Agricultura 4.0.

Essa é considerada a maior inovação tecnológica no agronegócio e é derivada do conceito da Indústria 4.0, que se refere a um conjunto de tecnologias digitais, compostas por softwares, sistemas e equipamentos inovadores, integrados e conectados às redes de comunicação.

Assim, os agricultores podem otimizar toda a cadeia, do planejamento e plantio, até a colheita e transporte. Mas já é possível perceber que dessas inovações no agronegócio, promovidas pela Agricultura 4.0, surgem diferentes tendências tecnológicas para o futuro.

 

Nova call to action

 

7 tendências de inovações para o agronegócio brasileiro

A expectativa é que, com o desenvolvimento tecnológico acelerado deste Século XXI, cada vez mais as diferentes inovações transformem a realidade no campo. 

No entanto, apesar de ainda haver muita especulação sobre as transformações que estão por vir no setor, já é possível definir: 

  • Quais tendências estão a caminho, 
  • Quais tendências já estão sendo usadas e
  • Quais tendências devem crescer em importância no agronegócio brasileiro. 

A seguir, conheça algumas delas. 

 

Produtora utiliza smartphone para visualizar dados sobre a lavoura, gerados em diferentes operações Produtora utiliza smartphone para visualizar dados sobre a lavoura, gerados em diferentes operações

 

1. A IoT será a principal tecnologia no agronegócio brasileiro

A revolução proporcionada pela Internet das Coisas (ou IoT, sigla que vem do inglês Internet of Things), já começou. Aos poucos, equipamentos e tecnologias agrícolas que podem ser integrados à internet ganham espaço no mercado.

Além de chips RFID e QRcode, que já são utilizados por muitos produtores, a tendência é que a IoT permita o uso cada vez mais eficiente de redes de telemetria, softwares e controle automático da produção. 

 

+ SAIBA MAIS: Integração de plataformas da agricultura digital para produtor

 

2. A inovação no campo também virá a partir das smart machines

Em sintonia com o avanço da IoT, as smart machines, ou máquinas inteligentes, são uma das inovações tecnológicas no campo que mais devem impactar a produtividade do setor.

Essas máquinas inteligentes são equipamentos autônomos que poderão ser programados ou controlados a distância.

Isso será possível por meio do avanço da robótica, da implantação de sensores, da inteligência artificial, entre outras tecnologias que permitirão essa automação das máquinas

Assim, os agricultores poderão obter maior eficiência nas operações, evitar o desperdício de insumos e reduzir a demanda por mão de obra.

 

+ CONFIRA: Software de gestão agrícola: tudo o que você precisa saber

 

3. Softwares otimizam a produção no campo

A utilização de softwares que permitem a condução mais assertiva da lavoura já é uma realidade. No entanto, a tendência é que esses programas sejam mais otimizados e ganhem inúmeras funcionalidades, ampliando as oportunidades de aplicação no campo.

Assim, se tornam quase ferramentas indispensáveis para o setor, uma vez que facilitam a análise de dados, gerados em diferentes momentos da safra. 

Por isso, permitem ao produtor um olhar granular sobre cada talhão ou operação, auxiliando na tomada de decisões. Isso ocorre a partir de dados gerados por sensores instalados em máquinas, satélites, drones, estações meteorológicas etc. 

A partir do processamento desses dados, realizado por sistemas e algoritmos cada vez mais modernos e ágeis, o produtor tende a ter um poder de análise cada vez maior sobre a sua lavoura

 

+ CONFIRA TAMBÉM: Inovações tecnológicas no agronegócio

 

E o mercado agrícola já oferece diferentes softwares para o produtor, como a Climate FieldViewTM, da Bayer.  Confira algumas de suas funcionalidades oferecidas:

  • Geração de mapas e relatórios das operações de plantio, pulverização e colheita;
  • Acompanhamento do desenvolvimento vegetativo de cada talhão com imagens de satélite, o que também permite a análise de mapas históricos de um talhão;
  • Adição de marcações georreferenciadas em pontos de interesse nos mapas, permitindo acompanhar com mais facilidade o desenvolvimento de uma área e realizar testes específicos;
  • Notificações personalizadas que avisam ao produtor em caso de alguma variabilidade no desenvolvimento da lavoura;
  • Elaboração de prescrições de sementes, fertilizantes e defensivos em taxa variável, entre outras funcionalidades que contribuem no manejo do dia a dia.

 

Nova call to action

 

4. O uso de drones na agricultura deve ser ampliado

Embora não seja mais uma novidade no campo, o uso de drones só tende a crescer no país. Principalmente depois que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) regulamentou o uso desses equipamentos na agropecuária brasileira, em setembro de 2021.

Dessa forma, os parâmetros para o uso de drones em operações de aplicação de defensivos e fertilizantes, por exemplo, estão definidos.

Esses veículos aéreos não tripulados também são excelentes aliados para a captura de dados digitais, auxiliando na geração de imagens, mapas e relatórios, além de transmitir remotamente informações em tempo real ao produtor.

Para completar, os drones podem ser utilizados em conjunto com softwares de monitoramento, permitindo o acompanhamento detalhado do desenvolvimento e da produtividade de cada região da lavoura.

 

Moderno sistema de irrigação na lavoura de soja, que pode ser controlado remotamente

Moderno sistema de irrigação na lavoura de soja, que pode ser controlado remotamente

 

5. O uso sustentável da água pela agricultura será cada vez mais necessário

Um dos recursos mais importantes para o desenvolvimento da lavoura, a água, tem despertado preocupação cada vez maior. Prova disso é que a instabilidade climática e a falta de chuvas têm ameaçado o rendimento agrícola não só no Brasil, mas em todo o mundo. 

Por isso, a tendência é o agronegócio priorizar a adoção de tecnologias e técnicas de manejo que otimizem o uso desse insumo e evitem o seu desperdício. 

Para ajudar nesse processo, várias start-ups e empresas de tecnologia têm investido no desenvolvimento de sensores, softwares e ferramentas de controle. 

O objetivo é que esses programas possibilitem o uso da água de forma estratégica no campo, por meio de alternativas como a automatização do processo de irrigação.

O uso otimizado da água na agricultura passa a ser um tema tão importante para as próximas décadas quanto o desafio de aumentar a produtividade agrícola.

 

+ SAIBA MAIS: Por que o sequestro de carbono pode ser bom negócio para a agricultura brasileira?

 

6. O uso de produtos eco-friendly no campo tende a impulsionar novas tecnologias

A aplicação de produtos e insumos sustentáveis ao longo de toda a cadeia de produção rural é uma das tendências no agronegócio que mais chamam a atenção.

Conhecidos como eco-friendly, esses insumos contribuem com a produtividade da lavoura, mas propiciam uma atividade agrícola com menor impacto ambiental e oferecem menor risco à saúde dos trabalhadores e dos consumidores.

Em geral, possuem teor reduzido de aditivos de origem sintética em sua composição. Esses produtos são usados em um sistema agrícola feito da forma mais natural possível, com adubação orgânica, conservação do solo, compostagem e adubação verde, por exemplo.

 

Produtor revolve com a mão o esterco que vai aplicar na lavoura Produtor revolve com a mão o esterco que vai aplicar na lavoura: o fertilizante natural pode ser rico em nutrientes para as plantas

 

É possível encontrar vários biofertilizantes e fertilizantes naturais no mercado brasileiro. A tendência é que o uso desses produtos aumente, pois a agroindústria deve investir em opções mais eficientes para o campo e, ao mesmo tempo, ambientalmente sustentáveis. 

Com foco nesse potencial de mercado, já existem inúmeras start-ups que estão desenvolvendo soluções para o agronegócio a partir do conceito eco-friendly

 

+ CONFIRA AINDA: Otimização de recursos na agricultura: aplicação de fertilizantes em taxa variável

 

7. Tecnologia dos minicromossomos é uma grande inovação tecnológica no campo

O apoio da biotecnologia e da engenharia genética na produção de sementes mais tolerantes a pragas e variações climáticas não é uma novidade. Mas a contribuição dessas áreas de pesquisa na agricultura só deve aumentar nos próximos anos.

Uma linha do conhecimento que começou a ser estudada no agronegócio é a tecnologia dos minicromossomos. Apesar de conter pequena quantidade de material genético, os minicromossomos podem aumentar a tolerância da planta e sua biofortificação. 

Além disso, eles podem ser usados para aprimorar ou aumentar o conteúdo nutricional de culturas geneticamente modificadas.

A melhor parte é que, por ser um material genético originado da própria planta, o uso de minicromossomos tende a ser recebido de forma mais positiva pelos consumidores, em comparação aos demais alimentos geneticamente modificados.

 

Lavoura de soja plantada entre fileiras de eucalipto, pelo sistema de ILPF: exemplo de agroecologiaLavoura de soja plantada entre fileiras de eucalipto, pelo sistema de ILPF: exemplo de agroecologia (crédito foto: Embrapa)

 

Novos modelos de produção agrícola

Além das tendências apresentadas anteriormente, outros movimentos devem ganhar força no futuro. Ao que tudo indica, a agroecologia e a agricultura biodinâmica, por exemplo, serão cada vez mais utilizadas. 

Também têm chegado com força às casas dos consumidores as carnes sintéticas, produzidas à base de plantas e, muitas vezes, fabricadas em impressoras 3D, o que tende a influenciar todo o sistema produtivo.

Vale lembrar que todas essas alternativas têm ganhado espaço no mercado porque permitem o uso mais sustentável dos recursos naturais. 

Estão em sintonia com um perfil de consumidores que se preocupa com o impacto ambiental da produção dos alimentos e produtos que utilizam. 

Contudo, a extensão do uso dessas alternativas ainda é um mistério. A única certeza é que somente os produtores rurais que acompanharem as inovações no agronegócio conseguirão sobreviver no mundo competitivo que virá pela frente.

Então, prepare-se! O futuro já começou. Para continuar aprendendo sobre o assunto, não deixe de conferir nosso conteúdo sobre a tecnologia 4.0 na lavoura.

 

+ ACOMPANHE MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO NOS ARTIGOS:

 

Quer ficar por dentro do que a agricultura digital pode fazer por você?

Nova call to action

Compartilhar:
Curtiu nosso conteúdo?