Cafeicultura 4.0: como as ferramentas digitais estão revolucionando a lavoura

Por Equipe FieldView™

Sep 01, 2021

Tradicional produtor de café, o Brasil consolida sua posição de maior exportador mundial com investimento em tecnologias do plantio à colheita

Na cafeicultura 4.0, a inteligência de dados é usada para potencializar a produção cafeeira

 

A tecnologia digital também chegou aos cafezais. Processo que tomou força com a chamada cafeicultura 4.0, uma poderosa fusão entre inteligência de dados e capacidade de produção.

Uma combinação que tem transformado o modelo de gestão e o perfil produtivo do setor cafeeiro do país, como já ocorre em outras atividades agrícolas.

Nesse artigo, explicamos um pouco sobre a relevância da cultura cafeeira para o Brasil, falamos sobre o que é a cafeicultura 4.0 e como a agricultura digital pode beneficiar o cultivo do grão. Confira!

 

+ LEIA MAIS: O agronegócio no Brasil: onde chegamos e o que podemos esperar?

 

A importância da cafeicultura no Brasil

A produção cafeeira chegou ao Brasil no século XVIII, expandindo-se rapidamente por conta do solo e clima adequados para o cultivo. Mas foi a partir das primeiras décadas do século XIX que ganhou relevância econômica no país.

Com a expansão do café pelo Sul e Sudeste no final do Século XIX, o grão tornou-se a principal atividade econômica do país. 

Não demorou para que o país se tornasse o maior produtor e exportador mundial, chegando a suprir 70% da demanda do mercado internacional em 1915. 

 

O Brasil é o maior produtor mundial de café há 150 anos

 

A evolução da cultura também se deve à incorporação de tecnologias, como máquinas de beneficiamento e secagem, novas variedades e estudos sobre fertilidade do solo, além do impulso ao sistema ferroviário.

A importância do café para a economia do país continua até hoje. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Café, o Brasil é responsável por um terço de todo o café produzido no mundo - liderança que ocupa há mais de 150 anos. 

Além disso, a cafeicultura é atualmente o quinto produto agrícola mais exportado pelo Brasil, com rentabilidade superior a US$ 5 bilhões/ ano. São nada menos que 2 milhões de hectares dedicados à atividade cafeeira, com mais de 300 mil produtores envolvidos, segundo o Ministério da Agricultura.

 

+ CONFIRA TAMBÉM: Qual é a participação do agronegócio no PIB e nas exportações brasileiras?

 

Cafeicultura 4.0: o que é e como ela muda a cafeicultura tradicional?

O salto tecnológico que o campo deu nos últimos anos e que resultou na agricultura 4.0 também chegou aos cafezais. 

Nasceu a cafeicultura 4.0, em que o produtor usa de diferentes tecnologias digitais para dar suporte às operações realizadas na lavoura, como plantio, monitoramento, pulverização e colheita, maximizando a produtividade e a rentabilidade do negócio.

Dentre as tecnologias disponíveis para o produtor de café estão softwares de processamento de dados, câmeras em semeadoras, máquinas conectadas à internet, imagens de satélite e até inteligência artificial e ciência de dados.

 

+ SAIBA MAIS: Controle de pragas no café: monitoramento com tecnologias digitais

 

A colheita mecanizada do café exemplifica o desenvolvimento tecnológico da cultura nos últimos anos

 

Com esses dados em mãos, o produtor pode melhorar o gerenciamento da fazenda, em todas as fases da safra, obtendo diferentes benefícios, como:

  • Redução da degradação do solo e o impacto ambiental;
  • Melhor produtividade de cada metro quadrado da propriedade;
  • Acompanhamento do desenvolvimento da lavoura em toda a área;
  • Definição da demanda ideal de sementes, fertilizantes e outros recursos para cada talhão;
  • Redução dos custos, porque o produtor tem suporte para adquirir apenas os insumos necessários.

Ou seja, se no Século XIX, por exemplo, o produtor de café melhorava sua produção a partir da observação de fatores como clima e solo, hoje essa correlação acontece com maior agilidade e embasada em dados gerados pelas funcionalidades da agricultura digital

Assim, pode alavancar o desempenho da lavoura de café ao adotar medidas com maior assertividade.

 

Na agricultura digital, o produtor tem acesso a dados de sua lavoura em tempo real, permitindo decisões mais assertivas

 

+ CONFIRA MAIS UMA HISTÓRIA DE SUCESSO DA AGRICULTURA DIGITAL: Falha no controle de capim amargoso traz prejuízo de R$59.200,00 em área de soja

 

O impacto da cafeicultura 4.0 no dia a dia do produtor

Com tecnologias como essas à disposição, a vida do produtor rural no campo ganha em praticidade e eficiência. 

A partir das ferramentas digitais, que cada vez mais chegam ao mercado e com foco nas diferentes culturas, é possível aperfeiçoar todas as operações e práticas realizadas na propriedade e, consequentemente, potencializar os resultados do negócio. 

No café, o produtor pode, por exemplo, monitorar o desenvolvimento vegetativo da lavoura com as imagens de satélite do Diagnóstico FieldViewTM. Caso os mapas gerados identifiquem alguma variabilidade no crescimento do cafezal, o produtor pode priorizar o monitoramento do local indicado.

Desta forma, pode conferir, in loco, o que pode estar afetando o desenvolvimento da lavoura. Se detectar a ocorrência de uma praga, por exemplo, boa pedida é usar outra funcionalidade da plataforma Climate FieldViewTM, da Bayer: os PINs georreferenciados.

Assim, pode demarcar a área infestada com os PINs e registrar anotações e fazer upload de fotos tiradas no local atingido pela praga. Posteriormente, o produtor pode analisar esses dados armazenados para embasar suas decisões. 

 

Nova call to action

 

 

Ao utilizar ferramentas digitais como essas, o cafeicultor pode perceber a diferença nos números da produtividade. Bom exemplo disso são as ações da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) na revitalização da cafeicultura no Mato Grosso.

A instituição capacitou mais de 100 técnicos em novas tecnologias cafeeiras e o resultado no estado foi um aumento de 171% na produtividade (de 6,29 sacas por hectare em 2015 para 17 sacas em 2020).

Vale citar o exemplo de um dos produtores beneficiados pelo programa, localizado no Norte do estado. Ele viu sua produção (de 12 a 15 sacas de café/ha) e seu faturamento (de R$1800) de 2015 saltarem para 120 scs/ha e faturamento de R$60 mil em 2019. E cultivando apenas metade da área. 

Tudo graças ao uso da cafeicultura 4.0! 

 

Produtores do Mato Grosso aumentam a  produtividade do café ao conhecerem as ferramentas da cafeicultura 4.0

 

Pronto, agora você já tem todas as informações mais importantes sobre a cafeicultura 4.0 em mãos! Que tal, então, continuar a aprofundar as suas leituras sobre a presença das tecnologias digitais na agricultura?

 

+ ACOMPANHE MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO NOS ARTIGOS:

Boa leitura!

 

Quer ficar por dentro do que a agricultura digital pode fazer por você?

Nova call to action

Compartilhar:
 Curtiu nosso conteúdo?