Ferramentas digitais unem forças para potencializar o mapeamento da biomassa

Por Equipe FieldView™

Nov 18, 2020

Com imagens de alta resolução à disposição, captadas tanto por satélites como por drones, o produtor tem condições de acompanhar com mais assertividade o índice vegetativo de sua lavoura, otimizando o controle de pragas e doenças. É a agricultura digital fazendo a diferença na gestão da fazenda

 

O produtor, com informações para mensurar o desenvolvimento do talhão, pode realizar manejos customizados

Quando o produtor tem informações para mensurar o desenvolvimento do talhão, pode realizar manejos customizados

Assim que a planta germina, começa a produzir biomassa. Para o produtor, é sempre motivo de alegria acompanhar a planta se desenvolvendo. Mas nem sempre este crescimento vegetativo segue o ciclo ideal. Inúmeros fatores entram em cena para prejudicar a cultura e ameaçar a rentabilidade, como clima, pragas, doenças, daninhas, fertilidade ideal e desafios operacionais.

Em uma lavoura, entender como está a evolução da biomassa da cultura, e em cada talhão, significa compreender como cada parte da área tem se desenvolvido durante o seu período vegetativo e reprodutivo.

Na agricultura moderna, essa avaliação pode utilizar funcionalidades da agricultura digital. Assim, de modo temporal e espacial, o produtor fica alerta sobre eventuais problemas que estejam prejudicando o pleno desenvolvimento da cultura.

Veja, a seguir, como as ferramentas digitais apoiam no acompanhamento da evolução da lavoura, gerando subsídios precisos para a tomada de decisão. Também conheça algumas dessas tecnologias, que permitem otimizar o controle de pragas, daninhas e doenças ao analisar o nível de biomassa dos talhões.

 

Monitorar a biomassa permite o manejo customizado da lavoura

Quando uma parte da lavoura tem um arranque de crescimento de biomassa menor que em outra parte, mesmo tendo características operacionais parecidas, ou que houve uma senescência precoce em determinadas manchas, significa que aquela área está passando por problemas de produção. Por isso, toda vigilância é pouca nessa área! Os problemas verificados podem estar associados a doenças, pragas, deficiências nutricionais e outros limitantes de produtividade.

Mas, à medida que o produtor pode mensurar essa variabilidade na lavoura, ou em pontos específicos de talhões, tem condições de intervir em fatores que podem prejudicar o desenvolvimento pleno da cultura. Com base nessas informações, por exemplo, ele pode aplicar, de modo direcionado, defensivos e/ou fertilizantes, entre outras práticas, evitando perdas de produtividade e garantindo o máximo rendimento daquela área.

Entretanto, realizar essa tarefa não era missão simples até um tempo atrás, quando o produtor não contava com as “maravilhas” da agricultura 4.0, como a agricultura digital.

Antes, o produtor visitava talhão por talhão e, quando identificava um dano visualmente, em muitos casos, já seria tarde demais para intervir. Além disso, mesmo que ainda fosse possível uma ação, a aplicação de insumos seria feita em área total e com uma dose fixa.

Não seria possível otimizar a quantidade de produtos a ser pulverizada, bem como definir os locais exatos onde essa aplicação traria, de fato, o benefício almejado. Mas, hoje, é possível fazer aplicações personalizadas na lavoura, atendendo às demandas de cada parte do talhão.

SAIBA MAIS: Afinal de contas, o que é a Agricultura Digital e Agricultura 4.0?

 

Imagens de satélite e mapas acompanham o desenvolvimento vegetativo de cada talhão

Ao utilizar a agricultura digital, é como se o agricultor se tornasse onipresente e onisciente em todos os cantos da propriedade. Além disso, seu “olhar” sobre a realidade de cada talhão pode ser potencializado com a ajuda de drones e satélites.

Incorporar as tecnologias digitais permite ao agricultor monitorar detalhadamente os talhões da lavoura, otimizando a gestão da propriedade. Para isso, pode utilizar opções disponíveis no mercado, como a plataforma Climate FieldView, da Bayer. 

Os agricultores que utilizam a plataforma têm à disposição a funcionalidade Diagnóstico FieldView™, que envia automaticamente imagens de satélite e mapas gerados de cada talhão cadastrado, com periodicidade média de quinze dias – dependendo, é claro, das condições meteorológicas do momento em que o satélite está tirando as fotos.

Essas imagens ajudam a priorizar o monitoramento da fazenda e a identificar rapidamente problemas na lavoura, permitindo ao produtor tomar decisões que protejam sua produtividade.

A funcionalidade do Diagnóstico FieldView™ oferece três tipos de imagens ao produtor:

  1. Imagem Real: que é a foto tirada pelo satélite, sem nenhum tipo de tratamento, utilizada para verificar a presença de nuvens e demais pontos climáticos no dia em que a foto foi tirada;
  2. Mapa de Vegetação: que retrata as áreas de maior e menor desenvolvimento vegetativo em determinado talhão. Ele traz, em uma escala de alto e baixo, quais são as áreas que apresentam maior índice de biomassa – ou seja, se desenvolveram mais –, e as com menor índice tiveram menor desenvolvimento. Com este mapa em mãos, é possível comparar com o crescimento vegetativo de outros talhões da fazenda; 
  3. Mapa de Monitoramento: que nada mais é do que estressar o Mapa de Vegetação, verificando se existe alguma variabilidade que não foi possível identificar na outra imagem. Com este mapa em mãos, o produtor tem uma ferramenta muito poderosa para manejar seu talhão de forma mais acurada.

O Mapa de Monitoramento apresenta, em sua legenda, uma escala de cores ainda maior, em comparação com o Mapa de Vegetação, que vai do verde escuro ao vermelho. Por meio dessas colorações, o produtor pode analisar a performance dos seus talhões. A interpretação, claro, vai ser realizada de acordo com a realidade de cada um. Mas, de forma geral, uma área com presença de coloração amarelada ou avermelhada pode indicar problemas sérios no desenvolvimento das plantas.

A funcionalidade Diagnóstico FieldView™ ainda conta com um recurso que apoia o produtor no ranqueamento dos talhões, o qual é ordenado de acordo com o maior ou o menor índice de biomassa. 

Ou seja, o gestor da fazenda pode escolher se quer começar suas análises pelos talhões mais problemáticos, a fim de manejá-los com maior eficiência, ou pode verificar qual é a tendência de produtividade dos talhões da área, ranqueando-os do maior para o menor índice vegetativo.

CONFIRA AINDA: Proteção de cultivos: até onde a tecnologia pode nos levar?

 

Conheça a tecnologia que está por trás das imagens do Diagnóstico FieldView™

A funcionalidade atende a inúmeros cultivos agrícolas, como grãos, cereais, cana-de-açúcar, café, entre outros.

O agricultor, assim que tiver um talhão cadastrado, independente do tipo de plano escolhido – Plano de Entrada ou Plano Plus, recebe imagens históricas dos últimos três anos.   

A resolução das imagens disponibilizadas é de 100 px/ha, e a inteligência por trás dos mapas é dada pelo do CCI – Climate Crop Index, que calcula a biomassa vegetativa verde atual (crescimento das plantas), com um nível de precisão bastante grande, sendo um diferencial frente às demais plataformas do mercado. 

O CCI é menos propenso à saturação (perda de variabilidade em biomassa muito alta) do que o NDVI (Índice de Vegetação por Diferenças Normalizadas). Isso garante que seja mais certeiro na medição de biomassa no início da germinação (quando ainda há uma grande presença do solo na imagem) e mais tarde na safra (quando a biomassa é muito alta).

 

Confira abaixo os três tipos de imagens geradas pelo Diagnóstico FieldView™ 

Diagnóstico FieldView™ gera três tipos de mapas: Imagem Real; Mapa de Vegetação; e Mapa de Monitoramento

Imagem Real 

Diagnóstico FieldView™ gera três tipos de mapas: Imagem Real; Mapa de Vegetação; e Mapa de Monitoramento

Mapa de Vegetação 

Diagnóstico FieldView™ gera três tipos de mapas: Imagem Real; Mapa de Vegetação; e Mapa de Monitoramento

Mapa Monitoramento 

Identificação do Índice de Vegetação com grande acurácia

Além de satélites, drones também têm sido utilizados no cálculo do índice de biomassa, ajudando o agricultor na gestão da lavoura. Que o diga a Sensix, uma das empresas brasileiras que prestam serviço para auxiliar o produtor na avaliação do desenvolvimento das plantas, cujas ferramentas se integram às funcionalidades da plataforma Climate FieldView™

“Possibilitamos ao produtor calcular índices de vegetação que determinam a variabilidade de biomassa e o vigor da plantação”, afirma o engenheiro mecatrônico Carlos Ribeiro, CEO da Sensix.

Por meio de sua plataforma web FieldScan, a Sensix oferece a recuperação automática, a cada 5 dias, de imagens de satélite geradas pela Agência Espacial Europeia, permitindo que o produtor ou o agrônomo faça o upload de imagens captadas com drones em suas propriedades.

De acordo com o CEO, esta tecnologia é capaz de consolidar imagens de satélite, drones e análises de solo no mesmo ambiente, gerando recomendações e insights de uma maneira prática e direta. As informações dos talhões são obtidas a partir da captação de imagens por satélites e/ou drones, utilizando o espectro do infravermelho próximo (NIR). “Por meio da análise de bandas, como o Infravermelho Próximo (NIR) e o Vermelho Limítrofe (RE), podemos medir o nível de biomassa e da atividade fotossintética do campo, indicando precocemente regiões com baixo vigor vegetativo”, explica Ribeiro.

Ele ainda cita que, em todos os mapas gerados pela plataforma, os níveis de acurácia estão sempre acima de 95%. Confira abaixo alguns exemplos de mapas gerados pela plataforma FieldScan:

  • Falhas de Plantio;
  • Infestação de Plantas Daninhas;
  • Índices de Vegetação por satélite e drones;
  • Zonas de Classificação;
  • Fertilidade;
  • Compactação do Solo.

Mapeamento de um talhão realizado por Sensix FieldScan

Mapeamento de um talhão realizado por Sensix FieldScan

Ao somarem sinergias, plataformas facilitam o mapeamento da biomassa

A partir da integração com a Sensix, os produtores que utilizam a plataforma Climate FieldView™ têm à disposição mapas com maior frequência temporal, uma vez que não há ocorrência de intervenções climáticas quando o processo de coleta das imagens é feito por drones. São enviadas da Sensix para o FieldView™ informações sobre limite dos talhões e índices de vegetação.

“É que, com o uso de drones, o produtor tem condições de coletar imagens em praticamente qualquer dia e horário, sendo capaz de ter seu mapa no tempo correto para executar suas aplicações direcionadas. Com o satélite, nem sempre isso é possível, principalmente em períodos muito chuvosos”, sublinha Ribeiro.

A integração de dados ocorre a partir do momento que as contas do produtor estejam conectadas. “Desta forma, ele é capaz de exportar, imediatamente, mapas de drones e de satélites para o FieldView™”, salienta o executivo, destacando ainda que, em breve, os mapas de fertilidade de solo gerados pela Sensix também estarão disponíveis na integração.

Essa integração permite que sejam enviados três padrões de biomassa para o FieldView™ entre os índices gerados pelo FieldScan: o NDVI, o NDRE e o RGB, possibilitando maior assertividade na criação de prescrições manuais de aplicação e de fertilizantes.

Para Ribeiro, ao aliar os dados de alta frequência e acionabilidade, com o mapeamento detalhado de operações agrícolas, o produtor passa a ter maior condição de tomar decisões assertivas e em tempo mais hábil, gerando mais economia e rentabilidade às suas operações. 

Desta forma, o agricultor pode correlacionar as regiões de menor biomassa, apontadas pelos mapas do Diagnóstico FieldView™, com os diferentes índices vegetativos do FieldScan. Assim, pode entender, com maior grau de detalhamento e resolução, cada uma das manchas no talhão.

O depoimento de um produtor de soja de Jataí, Goiás, comprova os benefícios da integração entre as plataformas. Ao fazer a correlação entre os índices de vegetação e o mapeamento de população de plantas, gerado pelo FieldViewTM, ele verificou que menores populações podem resultar em maior produtividade, permitindo economizar na compra de sementes. 

Foi a partir do mapa detalhado oferecido pela Sensix que conseguiu identificar uma faixa no talhão com baixa biomassa. Foi, então, buscar o porquê. Encontrou a resposta no mapeamento realizado na área com o FieldView™ Drive

Depois que identificou o problema de baixa biomassa, foi investigar a causa. “Onde tínhamos menores populações, a biomassa era muito maior”, diz. Depois, confirmou esta diferença no mapa de colheita, registrado pelo FieldViewTM Drive, instalado em uma das colheitadeiras. E aí ficou claro: “nos lugares em que tivemos índice vegetativo pior, e população maior, foi onde obtivemos menor produtividade”, relata o sojicultor.

A partir de imagens captadas por satélite e drones, Sensix FieldScan gera diferentes tipos de imagens

A partir de imagens captadas por satélite e drones, Sensix FieldScan gera diferentes tipos de imagens

Sabe o que é o FieldView™?

O FieldView™ é uma plataforma de agricultura digital que auxilia o produtor a coletar e visualizar informações sobre seus talhões, para que a tomada de decisão seja precisa, minimizando prejuízos. Curtiu o nosso conteúdo? Deixe seu comentário abaixo, pois a sua opinião é muito importante para nós. E você, que utiliza o FieldView™, compartilhe a sua experiência. Para mais dicas, siga as nossas redes sociais (@climatefieldviewbr).

 

 

 

 

 

 

 


 

Compartilhar:
conheça o climate fieldview