Safra colhida, armazenada e o que virá agora?

Por Equipe FieldView™

Jul 13, 2020

O planejamento pré-plantio, a compra e a utilização de todos os insumos requerem conhecimento sobre as decisões tomadas anteriormente

Colheu_Armazenou_ E agora

Os agricultores já se preparam para a safra de verão, afinal, não é porque terminou a colheita do milho safrinha, ou porque as culturas de cobertura estão caminhando para o ponto de dessecação, que o trabalho no campo vai ter uma pausa. Assim como nos modelos de negócios tradicionais, na agricultura, minimizar riscos e evitar perdas são premissas básicas para a manutenção do rendimento da lavoura. O planejamento da safra exige um olhar atento dos produtores às experiências anteriores para que o retorno esperado por eles não dependa apenas da escolha de um produto, mas, sim, de um conjunto de ações e boas práticas que, se bem empregadas, façam valer o custeio da produção.

Parte do volume de fertilizantes já foi adquirido pelos produtores. Nesse momento, em algumas regiões, a negociação de sementes e defensivos agrícolas continuam em andamento. De acordo com uma estimativa da Associação Brasileira de Produtores de Sementes de Soja (Abrass), as compras de sementes de soja para a safra 2020/2021 estão em torno de 80%, contudo, para determinar com assertividade a utilização desses insumos, uma série de dados de safras anteriores devem ser considerados e analisados. Mas por onde começar essas análises? Quais dados devo usar? Fique tranquilo e confira abaixo, pois é sobre isso que falaremos neste post!

A análise de resultados de safras anteriores permite ao produtor compreender como as suas escolhas performaram, ou seja, em termos de insumos, como foi seu desempenho e, em adição a isso, se apresentam muito relevantes na definição sobre a melhor forma de utilizá-los na safra atual. Para isso, as plataformas da agricultura digital podem auxiliá-lo para que haja uma organização e visibilidade melhor dos seus dados e para que ele tenha mais precisão durante os manejos necessários durante etapas produtivas. Isso o ajuda a tomar decisões de forma mais embasada, minimizando riscos, poupando tempo, otimizando os resultados de seus talhões.

A agricultura moderna trouxe técnicas, produtos, softwares e uma série de ferramentas para ajudar o produtor a explorar ao máximo o potencial produtivo de sua lavoura. Para facilitar a sua rotina de trabalho, plataformas como o Fieldview podem auxiliá-lo na integração de diferentes informações agronômicas, no registro e geração de dados e a decidir como utilizar insumos da melhor forma: volume de fertilizantes e local das aplicações; correções de solo e resultados dessa correção; cultivares destinadas a cada talhão; população utilizada nas linhas de plantio; efetividade do tratamento de sementes; defensivos utilizados no manejo integrado de pragas, herbicidas, fungicidas e a efetividade desses produtos; velocidade das máquinas e desempenho dos implementos agrícolas durante as etapas de cultivo; média de produtividade por talhão, entre outros indicadores de desempenho, que devem ser considerados para que o produtor calcule, da melhor maneira, o destino dos seus insumos e o investimento necessário para lidar com todas as adversidades que uma safra apresenta.

Chega de produtividade média!

Mapa de colheita X Mapa de desenvolvimento vegetativo

A engenheira agrônoma Thais Albuquerque atuou como administradora agrícola por cerca de 3 anos em propriedades do Grupo Cereal Ouro na região de Rio Verde (GO) e Xingu, norte do Mato Grosso, e pôde acompanhar a evolução das fazendas em termos de utilização dos dispositivos da agricultura digital. 

A agrônoma conta que, após a adoção de ferramentas como o Fieldview™ nos campos da empresa, as tomadas de decisão deixaram de ser baseadas em, simplesmente, resultados de produtividade média das áreas, ou desempenho geral de cada híbrido ou variedade na região como um todo. “Antes, tínhamos um resultado geral baseado no cálculo da produtividade média das cultivares nos campos da fazenda, na experiência de propriedades vizinhas e nos resultados de anos anteriores. Não eram avaliadas as particularidades do talhão e nem mesmo os custos totais investidos”, lembra Thais, que descreve como as correlações feitas por meio dos mapas gerados pelo Fieldview™ ajudaram a Cereal Ouro a identificar por que a produtividade média em um pivô de milho safrinha não passava de 130 sacos por hectare. 

“Percebemos que a produtividade média estava em torno de 120/130 sacos por hectare, no entanto, sabíamos que o potencial produtivo da área poderia superar esse valor. Quando analisávamos subáreas, utilizando a ferramenta de subtalhão da plataforma de agricultura digital da Bayer, podíamos ver que alguns pontos estavam produzindo até 170 sacos, enquanto outros apresentavam apenas 60 sacos por hectare”, recorda Thaís. “Em princípio, foi cogitada a possibilidade de ser um problema do híbrido, já que havíamos dividido o pivô para comparação de potencial produtivo lado a lado, mas, ao analisar, por meio do Fieldview™, os dados de colheita e o mapa da parte vegetativa, notamos que havia manchas em partes da área. Ao visitar o local, pudemos comprovar que a vegetação indicada no mapa não estava no padrão adequado. Quando conseguimos fazer uma análise minuciosa da fertilidade do solo, somada à comprovação de um mancha de nematóides que havia no talhão, entendemos com mais clareza onde precisávamos interferir para explorar o máximo potencial daquela área. A partir de então, foi feito o manejo para a correção do problema e começamos a alocar tecnologias com germoplasmas mais tolerantes e responsivos àquelas condições”, destaca a engenheira agrônoma sobre a experiência vivida.

Para Patrícia Dias, também engenheira agrônoma e uma das responsáveis técnicas na Sementes Vitória, em Rio Verde (GO), as tomadas de decisão eram diferentes. “A gente não tinha como avaliar a realização das atividades em cada metro quadrado no campo como fazemos hoje. Agora, com o Fieldview™, conseguimos ter as informações de forma mais rápida, tomar decisões com mais agilidade porque podemos fazer as correlações, sendo assim, é mais confiável”, explica. “Além disso, através do recebimento de imagens de satélite, a plataforma nos permite verificar quando algo novo surge no campo, seja um problema ou mudança na lavoura em tempo real”, acrescentou a responsável técnica.

Mapa de solo X Mapa de aplicação dos fertilizantes

Em termos de fertilizantes, Thaís Albuquerque conta ainda que houve uma economia de insumos. “Ao importar mapas de solo, vimos que havia uma boa concentração de fósforo em alguns talhões e com isso conseguimos reduzir o investimento deste nutriente para as próximas safras. A plataforma da Bayer nos ajudou a enxergar e entender o melhor custo-benefício por híbridos e variedades e nos ajudou a alocar a semente de acordo com o perfil de fertilidade de cada talhão”, conta. “Notamos, mais do que uma economia de insumos, pois obtivemos um melhor retorno produtivo da lavoura, além de ganhos em gestão”, conclui.

Mapa de pulverização X Mapa de vazão X Mapa velocidade maquinário 

Já Patrícia Dias, entende que, quanto maior o detalhamento por metro quadrado da lavoura, mais eficazes serão os manejos e melhor será, consequentemente, a produtividade da área. “Agora não podemos pensar por hectare, mas sim por cada metro quadrado, e ferramentas como o Fieldview™ nos oferece essa possibilidade. Em termos de pulverização, por exemplo, conseguimos entender por que um herbicida funcionou e outro não funcionou. Para chegarmos às conclusões e decisão de recompra, buscamos os dados das doses aplicadas em determinadas áreas, a vazão dos bicos pulverizadores no momento das aplicações, a velocidade das máquinas e a hora da aplicação. Tudo isso junto, em apenas poucos cliques, consegue ser correlacionados entre si e com os resultados dos mapas de produtividade. Assim, conseguimos ver qual produto performou melhor”, indica Patrícia. “As decisões não são mais tomadas de forma generalista como antes, por meio da experiência de produtores vizinhos, mas passam a ser baseadas em detalhamentos da área proprietária”, acrescenta.

Mapa Patrícia Sementes Vitória

Mapa de plantio (Sementes Vitória), em taxa variável, baseado na fertilidade de sementes de linhagens de milho em 2020.

A engenheira agrônoma também fala sobre a importância da ferramenta na colheita. “Na colheita, você consegue observar, por meio das informações geradas pelo Fieldview Drive acoplado à colheitadeira, o quanto produziu por metro quadrado e relacionar esses dados às manchas onde produziu mais ou menos e, ainda, se perguntar se naquela mancha de melhor resultado há uma fertilidade ou manejo diferenciado”, exemplifica. “Eu marco essa área de forma georreferenciada, vou até lá e faço a coleta de solo para que no outro ano, na próxima safra eu possa fazer com que o híbrido ou variedade expresse o seu potencial”, explica. “Nós acabamos de colher, nos reunimos e já sabemos quais híbridos vamos plantar no ano que vem porque já correlacionamos os dados de produtividade da colheita aos mapas de adubação, plantio… Agora, com essas ferramentas da Agricultura 4.0, você consegue identificar o problema e já corrigi-lo para a próxima safra. Algumas vezes, dependendo da alteração identificada pela plataforma, você consegue resolver em tempo real”, relata Patrícia, que trabalha há 4 anos com o Fieldview™.

Você viu aqui, por meio de algumas experiências, como algumas correlações ou camadas de dados podem ajudar a tornar o planejamento da safra mais eficaz, visando aumentar a produtividade média da sua lavoura e encontrar o melhor balanço entre investimento e retorno. Nessa linha, você verificou que a agricultura digital pode ser uma grande aliada na tomada de decisões importantes que farão a diferença em seu negócio. Para cada perfil, ferramentas como o Fieldview™ podem ajudar a otimizar os processos da fazenda. 

Saiba mais: Como as ferramentas da Agricultura Digital impactam o seu negócio

Compartilhar:
conheça o climate fieldview